Aguarde um momento, por favor...

 
 
EnglishEnglish
 
Página inicial » Ferreira Gullar
 
Ferreira Gullar
Ferreira Gullar

Pseudónimo de José Ribamar Ferreira, é poeta, crítico de arte, biógrafo, tradutor, argumentista de teatro e de televisão, memorialista e ensaísta.

Ferreira Gullar nasceu no dia 10.9.1930 em São Luiz do Maranhão, no Brasil. Em 1950 mudou-se para o Rio de Janeiro.

Publicou o seu primeiro livro Um pouco acima do chão em 1949. Ter-se-á iniciado na escrita por motivos amorosos, afirmando-se como poeta, ao mesmo tempo que passou pela rádio e pelo teatro.

Com uma forte consciência política, integrou movimentos literários e artísticos, tendo sido nomeado, em 1961, Director da Fundação Cultural de Brasília, onde elaborou o projecto do Museu de Arte Popular e lançou a sua construção. Esta experiência levou a que Ferreira Gullar orientasse a sua poesia de um experimentalismo poético de vanguarda para uma atitude de maior compromisso político e social. Tal mudança levou-o a assumir uma posição política, obrigando-o a um exílio (Moscovo, Santiago do Chile, Lima e Buenos Aires) de 1971 a 1977. Escreve Poema sujo em 1975.
 
Ferreira Gullar foi agraciado com um conjunto vasto de prémios, tendo ganho o concurso de poesia promovido pelo Jornal de Letras com seu poema O Galo em 1950. Vence igualmente os prémios Molière (a primeira tradução a vencer este prémio com Cyrano de Bergerac) e o Saci, entre outros prémios de argumento de teatro.

Recebe o Prémio Jabuti em 1999 e novamemte em 2007. É galardoado também com o Prémio Alphonsus de Guimarães, bem como o prémio Multicultural 2000, do jornal O Estado de São Paulo.

Em 2002, por indicação de nove académicos dos EUA, de Portugal e do Brasil, foi indicado para o Prémio Nobel de Literatura.

Em Dezembro do mesmo ano o poeta, conjuntamente com outros nove artistas de relevo internacional, recebe o Prémio da Fundação Príncipe Claus, dos Países Baixos, atribuído a artistas e escritores fora da Europa que tenham contribuído para mudar a sociedade, a arte ou a visão cultural de seu país.

Helena Buescu, (professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), José Carlos Seabra Pereira (professor associado da Universidade de Coimbra), Inocência Mata (escritora santomense e professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), Luís Carlos Patraquim (escritor e jornalista moçambicano), António Carlos Secchin (escritor e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e a escritora brasileira Edla van Steen foram os jurados deste prémio